A mulher e o exercício! | Dra. Potyra Labonia Matiello

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Mulheres têm uma variabilidade hormonal ao longo do mês e da vida que é única.

O exercício para a mulher é um remédio que deve ser tomado a vida inteira. Através do exercício pode-se prevenir e tratar doenças das mais diversas etiologias, mas existe uma em especial: a obesidade. O aumento do percentual de gordura no corpo é o grande vilão para doenças como hipertensão, diabetes, câncer de mama, câncer de endométrio (útero), câncer de intestino, infertilidade, osteoporose, depressão etc.

As fases que as mulheres mais ganham peso são adolescência, gestação, pós-parto e pós menopausa. Estas mesmas fases são caracterizadas por grandes variações hormonais que podem ser encaradas como excelentes momentos, se forem bem conduzidas. Isso significa que com o exercício podemos equilibrar nosso organismo diminuindo o impacto negativo desses momentos na vida da mulher. Durante a atividade física há liberação de hormônios como endorfina (controla a ansiedade, diminui a dor e o estresse), serotonina (regula sono, humor, apetite e desejo sexual), adrenalina (mais disposição) e GH (hormônio do crescimento que ajuda a perder gordura) que agem a favor no equilíbrio físico e mental.

Cada fase do ciclo menstrual tem uma particularidade bem como cada fase da vida tem uma condição hormonal específica. Para lidar com essas variações devemos ter um programa adequado de exercício e nutrição. Não existe nenhuma condição clínica que seja contraindicação para a atividade física, o que precisamos é apenas adaptar a atividade à SUA condição.

Mulheres que já treinam com frequência ou são atletas profissionais merecem atenção especial quanto a escolha da reposição hormonal, anticoncepção, aconselhamento nutricional. No esporte de alto rendimento vemos uma precocidade na escolha do esporte e muitas adolescentes têm que lidar com treinamentos de grande volume e intensidade. A atleta mais jovem da competição tem 15 anos e no mês passado no mundial de natação em Gwangju a mais nova com 14 anos. Para quem está acompanhando os jogos Pan Amerincanos de Lima cada vez mais mulheres integram as seleções, e cada vez mais, em idades precoces.

O Brasil teve 250 homens e 236 mulheres, a menor diferença de gênero entre atletas na história de todos os PanAmericanos.

Isso se repete no esporte amador e é motivo de comemoração, pois estamos nos conscientizando dos benefícios do esporte para a vida!

Esporte é vida! Não deixe para amanhã, vamos praticar?

 

Dra. Potyra Labonia Matiello

Ginecologia do Esporte

(CRM-SP 113025)

Compartilhe esse post com seus amigos

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin